segunda-feira, 26 de julho de 2010

O encontro com o Diabo.

O demônio é uma das figuras que mais assombram o imaginário popular. Lobisomens, mulas sem cabeça e velhos do saco costumam colocar medo apenas nas criancinhas. Mas o mal, o inimigo de Deus é uma figura que assombra a qualquer ser vivente e para isso não precisa acreditar em divindade.
O Mito do oposto do Divino trás a mente a reflexão sobre a inexistente perfeição. O demônio Judaico cristão é lúcifer, anjo bonito e inteligente que foi jogado no abismo por querer a perfeição divina para si.
Quantas e quantas vezes nós na busca de uma falsa perfeição somos jogados para o abismo, por não ser possível alcançarmos essa perfeição divina, do que só é bom, só pensa no bem, só ama.
Volta e meia nos deparamos com situações onde falamos: “mas como pode fazer isso? Ele é uma pessoa tão boa. Parecia estar tomado por alguma outra força” E de fato é. É a força que muitas vezes nós empurramos para o abismo na tentativa de que ela nunca surja e no mínimo descuido das nossas sentinelas da perfeição ela retorna com toda força, sendo muito mais perigosa do que se permitíssemos que ela circulasse normalmente junto com as outras forças.
Por fim se soubermos dialogar com as forças que nós no auto da nossa ingenuidade denominamos de demoníacas e direcionarmos para que elas se manifestem da forma mais adequada possível não precisamos nos assustar com o desconhecido. Para uma vida saudável é importante que anjos e demônios convivam em harmonia.

Um comentário:

Thiago_Fiago disse...

Filho, Nietzsche resume o seu post assim: "Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você" ("Além do Bem e do Mal").

Deus, Diabo? A meu ver, "projeções arquetípicas" que exteriorizamos esse conflito interno humano entre fazer o "certo" e o "errado".

=)