segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

A peça que não cabe no quebra cabeças

A peça não cabe em lugar nenhum. O quebra cabeças continua lá incompleto e ela não se encaixa. Parece fazer parte de um outro quadro. Estar com ela nas mãos trás angustia e ao mesmo tempo obriga o jogador a refletir, a mudar sua visão do quadro. Ela fundamentalmente não cabe no jogo porém imagine um jogo de baralho sem seu curinga.

Qual angustiante seria se alma a peça tivesse. A angustia de ser uma peça de um outro jogo e estar sendo forçada a se encaixar no atual. Seriam dois angustiados, quem força o encaixe e a peça a ser encaixada.

Eu sou animado(almado), quem tenta me forçar a ser parte desse quebra cabeças falho é animado e o que se consegue é toda sorte de alguns sentimentos de incômodo. Acredito que muito mais para quem tenta encaixar do que para a peça. A peça sabe que não faz parte desse jogo. Quem força também sabe, mas prefere não continuar inutilmente tentando.

Nunca cheguei muito perto da normalidade. Nunca fui dado a tribos, nomenclaturas, rótulos, grupos, . Nunca aceitei hierarquia, coisas sem questionar, intolerancia e falta de respeito. Não fui um adolescente rebelde, até porque isso me tornaria um adolescente normal. Enquanto os meninos da minha idade bebiam e apostavam quem pegava mais nas matinês mais bombadas do Rio, eu procurava informações sobre como poderia viver minha vida no monastério. Sim eu desejava ser monge. Nunca busquei ser diferente, sempre fui diferente por assim ser. As minhas idéias nunca couberam, sempre transcendia tudo aqui que se estabelecia como verdade. Sempre me senti “em outro planeta”. Sempre fui estranho.

Eu e uma boa parte das pessoas, dentre estes alguns amigos meus, sabemos que somos carta fora do baralho, peça do quebra cabeças errado, Idéia inconsistente. A impressão que eu tenho é que somos parte de um jogo que ainda está por se formar. Não cabemos na situação atual, nas falas atuais, nas diretrizes atuais. Ninguém cabe nelas, as pessoas se fizeram peça do jogo. Está na hora de deixar de ser moldado e começar a moldar. Cada peça pode ser um jogo com as a suas próprias regras. Eis um novo jogo, que está prestes a começar.

2 comentários:

ClEiDinhAAAa 100% disse...

AIII TA MTO LECAUI SEU BLOGGG MIGUU CURTI MTO ESSE TEZTIN Q VOSSE ESCREVE TA LND MSMMM BJOSS MIL E SAIBA Q

Juliana Canavezes disse...

Viva ao jeito diferente de ser!

Estava sumida, perdida fora do jogo...mas voltei e o post continua maravilhoso!

;*